Três meses depois de ter iniciado o projecto de desenvolvimento no Campo de Desalojados Ndeja, John Segredo, em Moçambique, a Médicos do Mundo já deu 6365 consultas gratuitas de saúde. 

De modo a prestar auxílio às mais de 300 famílias desalojadas, vítimas do ciclone Idai, a Médicos do Mundo assumiu, em Agosto de 2019, a coordenação e apoio ao Campo de Desalojados Ndeja, Novo John Segredo, na província de Nhamatanda, em Moçambique. Três meses depois, a equipa já deu 6365 consultas, das quais 3519 foram feitas a adultos e 2846 a crianças. Destas consultas, 224 destinaram-se a mulheres grávidas e 144 foram de planeamento familiar. 

Nestes três meses foram ainda realizados 2454 testes de rastreio de doenças transmissíveis (malária; Sífilis e VIH) e 64 palestras, com o intuito de aumentar a literacia para a saúde. Paralelamente, a Médicos do Mundo implementou cuidados domiciliários para doença aguda, para apoio de doentes com incapacidade (mental e locomotora) e para toma de medicação, como o caso de tuberculose.

Todas as actividades de prestação de cuidados de saúde desenvolvidas pela Médicos do Mundo, visam as principais áreas de intervenção do sistema de saúde moçambicano: saúde materno infantil; infeção VIH/SIDA; tuberculose; malária; condições emergentes e re-emergentes (doenças não transmissíveis); doenças tropicais negligenciadas; saúde ambiental e nutrição.

Além da prestação de cuidados de saúde, do transporte de medicação para o posto sanitário, do transporte de doentes (desnutrição grave, doença mental e outras incapacidades) ao Hospital Rural de Nhamatanda) e da realização de acções de formação e de sensibilização à população do centro, a acção da Médicos do Mundo tem como principal foco a capacitação de profissionais de saúde locais, que já se encontram no terreno, dando assim continuidade ao trabalho realizado pela delegação espanhola.