RSS Facebook Twitter YouTube BlogSpot
SIGA-NOS
Rede MdM Internacional
Esperança: O que se propaga em Castanheira de Pera
04-07-2017

Esperança: O que se propaga em Castanheira de Pera

Mais de 1000 voluntários, bombeiros, escuteiros, pessoas locais e colaboradores, 7 pavilhões de armazenamento e muita vontade de fazer renascer das cinzas a vida da população. Esta é a Missão Esperança.

Após os fogos do passado dia 17 de Junho, Maria, Tibi, João, Lara e Fernanda juntaram-se para distribuir ajuda às pessoas afectadas pelos fogos em Castanheira de Pera.

A onda de solidariedade nacional fez com que fosse necessária a intervenção de uma organização com experiência em missões de ajuda humanitária, que garantisse a logística de entrega e distribuição dos bens doados e o apoio médico à população local.

A Médicos do Mundo entrou no terreno no dia 22 de Junho e montou aquela que viria a ser a nossa primeira missão de emergência em território nacional.

“Quando chegámos percebemos que era preciso uma logística que permitisse chegar às pessoas. Tínhamos que ter um mecanismo de recepção e entrega. Os donativos não podiam ficar armazenados. Há uma missão a cumprir” – Fernando Appert, logístico da MdM.

É na antiga escola primária de Castanheira de Pera que se encontra o Centro de Operações da Missão Esperança. Lá coordenam-se voluntários, colaboradores, sinalizações da população e cruzam-se competências para delinear a melhor resposta possível a cada caso.

Em Castanheira de Pera existem actualmente 7 espaços de armazenamento de bens, que são diariamente organizados com a colaboração de inúmeros voluntários. Entre roupa, sapatos, produtos de higiene, rações, comida, bebidas, móveis e electrodomésticos, são já vários os produtos que nos permitem ajudar a população local.

A par dos bens, existe uma equipa multidisciplinar, composta por enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e voluntários que se deslocam a casa das pessoas para lhes assegurar condições de saúde condignas e necessárias e encaminhar as situações sinalizadas às entidades competentes.

“As equipas que saem para o terreno têm enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e voluntários que nos permitem dar uma resposta mais eficaz a estas pessoas. E é necessário destacar a ajuda preciosa dos voluntários locais que, melhor do que ninguém, nos ajudam a estar cá, em Castanheira de Pera e a chegar a quem mais precisa.” – Fernanda Lopes, enfermeira da Médicos do Mundo.

A esta equipa multivariada juntaram-se os escuteiros que, seguidos pela jura de ajuda ao próximo, recuperaram casas e galinheiros, limparam as cinzas que cobriam os lares e tentaram devolver às pessoas de Castanheira de Pera a normalidade do dia-a-dia.

Nesta soma de solidariedade, já conseguimos várias respostas que garantiram a melhoria das condições iniciais que avistámos em Castanheira de Pera, após um dos piores incêndios que há memória em Portugal.  

“Sem a ajuda da Médicos do Mundo tudo seria mais complicado. Estamos todos envolvidos para que esta missão seja possível. É altura de renascer.” – Manuel, habitante de Castanheira de Pera

A Missão Esperança é possível graças à generosidade de um povo que se uniu e continua a unir, no terreno e fora dele, para que as respostas surjam e a ajuda chegue a quem mais precisa.

A todos os que nos estão a ajudar a propagar a esperança em Castanheira de Pera, o nosso muito obrigada.

Juntos, lutamos contra todas as doenças, até mesmo a injustiça.