RSS Facebook Twitter YouTube BlogSpot
SIGA-NOS
RECEBA A NOSSA
REVISTA FACE
insira o seu endereço electrónico

Rede MdM Internacional
Quanto vale a vida de uma criança?
01-06-2017

Quanto vale a vida de uma criança?

Mais de 300 mil crianças migrantes viajaram sozinhas entre 2015 e 2016. Fogem da guerra, da fome e da morte. Mas afinal, quanto vale a vida de uma criança?

Em 2010, 66 mil crianças refugiadas circulavam no mundo sozinhas, em busca de um abrigo. Seis anos depois, 200 mil menores desacompanhados pediram asilo a mais de 80 países, o que corresponde a um recorde histórico.

São travadas nas fronteiras de países que não lhes dão respostas e obrigadas a seguir por rotas perigosas, expondo-se à exploração, abusos, violência e mortes evitáveis.

Será que a vida de uma criança vale menos do que a xenofobia, a discriminação e a marginalização dos países de trânsito e de destino?

No início do ano, 160 mil crianças caminhavam sozinhas em território europeu, a requerer asilo a vários países que, pelas posições adoptadas, não seguiram as políticas de cooperação expectáveis.

À medida que as respostas vão diminuindo, as redes de tráfico intensificam-se e aumenta o número de vítimas infantis. Para estas redes, a vida de uma criança vale pelos trabalhos forçados, pelas explorações de que são alvo e não se acompanha de quaisquer direitos.

Segundo a Interpol, a situação actual faz com que a exploração de crianças ocupe já 20% da actividade dos traficantes.

E são apenas crianças. São menores privados de cuidados de saúde, sujeitos, diariamente, a decisões políticas assentes numa legislação que ainda não prevê respostas eficazes para as condições que enfrentam.

Não é só necessário assinalar o Dia Internacional da Criança.

É preciso unir os países em prol de respostas e estratégias de acolhimento que prevejam o abrigo, a protecção, a educação e a saúde destas crianças, para que o medo de serem detidas e deportadas não as impeçam de pedir ajuda.

A vida de uma criança tem que valer este esforço.